A sua conta
A agonia da nossa civilização
A agonia da nossa civilização

A agonia da nossa civilização

(Autor)
 
0.0 (0 voto(s))

17.01€


Preço:
18.90€
Poupa:
1.89€ (10%)

Disponível

  Adicionar ao carrinho

O presente ensaio, de autoria de um dos maiores filósofos do século passado, o Professor Georges Gusdorf, representa uma retomada de posição atual e corajosa perante os graves problemas que afligem a humanidade. Com uma perspectiva extraordinária e uma visão lúcida e profunda do momento por que passa o mundo e, consequentemente, a nossa civilização, Gusdorf enfrenta o que chamou de agonia da civilização atual.

Georges Gusdorf é, antes de tudo, um pensador cristão, imbuído de toda uma filosofia em cuja construção trabalharam os filósofos cristãos, empenhando-se para vivificar a civilização com os valores mais sagrados do humanismo personalista. Nesta obra, o filósofo estuda e disseca a civilização que lhe parece descambar para um pôr de sol melancólico, em que os valores eternos cedem à tecnologia de um desenvolvimento material sem limites; Gusdorf, porém, não se entrega ao desespero niilista dos demolidores e céticos.

ISBN: 9786588525029
Produtor: Monergismo
Código de produto: 9786588525029
Código de barras: 9786588525029
Dimensões: 160 x 230 x 12 mm
Peso: 0.346kg
Número de páginas: 246
Língua: Português

Conteúdo do livro

A presente posição dos indivíduos e comunidades ocidentais na desorientação da história é talvez uma das maiores dificuldades com que se depararam as correntes de pensamento que surgiram ou se reformularam após a Segunda Guerra Mundial. A própria imagem do mundo, que servia de substrato tanto para a atividade teórica quanto para a vivência cotidiana, se desfez, ou, se tanto, subsiste precariamente.

Ora, neste livro, Georges Gusdorf conduz-nos, com suas reflexões sempre vigorosas, pelas transformações do século XX, no qual se testemunhou o avanço e poder (quase taumatúrgico) da técnica, bem como a inversão ou esvaziamento de símbolos que serviram, por eras, de esteio ao homem; partindo dessa percepção, o autor demonstra que o mundo, antes existencialmente apreensível em nossa experiência concreta, torna-se cada vez mais, pela abstração cientificista, um diagrama estéril de forças e leis que não satisfaz as demandas mais profundas da humanidade.

Essa “decomposição do mundo humano”, como diz o filósofo, faz com que o indivíduo moderno se depare (ou sofra) com a “doença do espaço” e com a “desfiguração do tempo”, já que sua ação no mundo, previamente determinada pelos valores do espírito, é agora mensurada por unidades codificadas e escalas de grandeza que não correspondem mais ao seu tempo e espaço vitais.

Porém, diferentemente de muitos autores que também percebem a crise da modernidade e que, no entanto, propõem o desespero como solução, Gusdorf olha para a história recente com a convicção serena de um pensador que transcende a agonia do momento, pois entende que a ação de Deus no homem e no mundo traz em si o signo da ressurreição.

— Dr. Fabrício Tavares de Moraes

Prefácio

APRESENTAÇÃO
PREFÁCIO


PRIMEIRA PARTE: O MUNDO
A terra dos homens
O mundo científico
A decomposição do mundo humano
Homo circulator
O mundo técnico

SEGUNDA PARTE: O HOMEM
O retrato
A perda do ser
O corpo
Imagens e sons
A inteligência e as máquinas
Psicopatologia moderna
Sexualidade, barbárie e a morte do homem

TERCEIRA PARTE: DEUS
Sagrado e religião
Secularização
Morte de Deus na Igreja
Morte de Deus e retorno do renegado

PARTE FINAL: PARA UMA APOLOGÉTICA

Comentários e resenhas

Comente este produto

Precisa estar logado para adicionar comentário ao produto.

Georges Gusdorf
Georges Gusdorf(Autor)

Georges Gusdorf nasceu na França em 1912, em Bordeaux, descendente de família judeu-alemã. Estudou na Escola Normal Superior de Paris, onde foi aluno de Gaston Bachelard, e depois na Sorbonne. Durante a Segunda Guerra Mundial foi prisioneiro do exército nazista num campo em Lübeck, de 1940 a 1945. Depois da guerra foi professor de filosofia na Universidade de Estrasburgo. Entre 1966 e 1988 publicou os 13 tomos de seu trabalho monumental Les sciences humaines et la pensée occidentale, pelas Éditions Payot — que é, na verdade, apenas parte de sua imensa obra escrita. Dois anos após sua morte, em 2000, foi publicado também seu livro de memórias, Le crépuscule des illusions: mémoires intempestifs.